Hora de pensar no BSOP Millions!

Esse texto saiu originalmente no Blog Oficial do PokerStars, editado pelo Sérgio Prado, link para o original AQUI.

 

Faz pouco tempo que terminou o BSOP Brasilia, apesar de ter um sol para cada um, é uma das etapas que mais gosto. Ano passado já foi assim, esse ano se repetiu, vi amigos que não viajam muito o circuito, conheci jogadores novos e sem falar em toda a infraestrutura por trás.

ivan_bsop_millions.jpgMesmo com o BSOP tendo terminado há poucos dias, os olhos nunca se voltaram tanto para o próximo, que será o Millions! Será um verdadeiro festival, mais de 32 eventos, que lembra as séries que só vemos lá fora, mais especificamente a WSOP.

Junto com montar a grade de eventos que pretendo jogar, estou já de olho nos satélites online, é uma oportunidade de entrar nos eventos (que serão muitos) de maneira mais acessível, maximizando o ROI ou minimizando (bate na madeira) um possível ferro.

O evento principal, já tem satélites desde o meio do ano no PokerStars, ou seja, você não precisa esperar mais aqueles satélites live que só acontecem na cidade do evento e com alguns dias de antecedência, já dá para buscar desde já. Recentemente fiz um artigo falando sobre os satélites do WCOOP, dei uma vista geral sobre algumas estratégias e os jogos em si, você pode conferir esse artigo clicando AQUI.

Há algumas diferenças entre os satélites para um evento live que será aqui no Brasil, do que aqueles para os majors online. Vamos pensar em algumas delas:

Tamanho do Field: em um satélite para o WCOOP, temos o mundo inteiro querendo entrar no evento de maneira mais acessível, então é normal vermos satélites com fields maiores que muitos torneios. Para um evento live, naturalmente o field será menor, teremos uma proporção menor de vagas, normalmente para os 3 primeiros. Assim temos que ter uma abordagem diferente do early game, vamos ter que pensar lá no late game, construir um stack saudável e não perder nenhum spot, muito similar a um torneio comum do nosso dia a dia.

Jogadores no field: obviamente se falarmos em termos de o mundo inteiro, teremos mais jogadores regulares apenas de satélites, aqueles que ganham a vida com esse estilo de jogo, fazendo assim o field mais duro, teremos “menos edge”, em outras palavras vantagem técnica. Aqui no Brasil, temos excelentes jogadores especializados nisso porém com uma proporção muito menor. Há muitos jogadores de qualidade que raramente jogam satélites, fazendo assim com que quem estudar e dominar esse estilo tenha um “edge” muito maior. Essa relação também é verdadeira com jogadores que não dominam a técnica, fazendo o field ficar relativamente mais fácil ou “soft” como falamos.

Já tenho a vaga: há jogadores excelentes de torneios, que vão jogar o BSOP com ou sem a ajuda de satélite, e por isso nem pensam em grindar esses torneios. Há também aqueles que já ganharam a vaga e por os satélites não serem o seu jogo regular, vão dar o trabalho como feito e vão focar em outros jogos. Isso acaba também tornando o field mais soft, com menos regulares, e que a verdade seja dita, nos deixa mais próximos de uma vaga. Não podemos também esquecer daqueles jogadores excelentes que só deixam para jogar os satélites nas vésperas do torneio, então quanto antes começarmos, melhor!

Pensando assim, quanto antes começarmos melhor. Se vamos garantir uma vaga e focar em outro jogo ótimo, se vamos assegurar mais de uma, ótimo também.

Para conferir os satélites disponíveis para o BSOP Millions, no Lobby do PokerStars acesse a Aba “Live Events”, escolha BSOP Millions e “All satellites”.

A hora é essa!

Abraços,
Ban

Mudança na regra dos Softwares de Apoio no PokerStars.

Há algumas semanas houve no mundo do Poker vários focos de discussão sobre o uso ou não de softwares, quando eles eram necessários e qual seria o limite ético do seu uso. Na página do meu amigo Vini Marques houve um longo tópico com excelentes pontos.

Semanas depois, o PokerStars anunciou em um post no 2+2, que iria fazer várias alterações na política de softwares de apoio e que já valeriam no dia 1 de outubro.
E o que muda efetivamente?
Se levarmos em conta que quase na sua totalidade o field é composto por jogadores recreativos, essa mudança irá afetá-los de maneira indireta, já que serão menos explorados pelo edge que os programas propiciam.
E para aqueles jogadores que as alterações irão afetar diretamente, o que muda? Com base no 2+2 e nas notícias que saíram no MaisEV e PokerNews, destaquei algumas delas:
Charts (tabelinha) :  Pode e não pode. Se for uma tabela apresentando somente o range, de uma maneira bem básica e natural, onde ainda requer uma interpretação, ai pode. Se for uma tabela elaborada, onde os ranges estão detalhados, agrupados, por stack, por % de agressividade etc, ai não pode. Lembrando que esse pode e não pode é somente e somente se o software do PokerStars estiver rodando, na hora que você for estudar e estiver longe do grind vale tudo.
HUDs: Acabou a farra do HUD mostrar até o tipo sanguíneo, agora as informações ali só podem ser numéricas, não podem classificar um jogador dentro de uma determinada categoria nem tão pouco mostrar estatísticas dinâmicas para uma situação específica. O sistema de coloração também mudou, agora ele tem um limite para cada stats.
Seat Script / Table Selection: Muita gente nem sabe que isso existe e particularmente eu acho o mais danoso. É um programa que escolhe a mesa que você vai sentar baseado em uma waiting list global e de acordo com alguns requisitos que você estabelece, cor de note por exemplo, assim você evita alguns players e caça outros. No futuro a intenção é banir todos esses scripts, no momento ainda continuam valendo aqueles que apenas registram em uma determinada mesa ou torneio sem levar em conta critérios específicos.
Essas são as mudanças que mais chamam a atenção, vejo todas com bons olhos, não vi nenhuma que seja danosa ou prejudique algum jogador. Óbvio que aqueles que utilizavam programas como o de table selection vão se sentir prejudicados, mas quando pensamos na essência do jogo, é assim que tem que ser.
Abraços,
Ban