Ai eu tinha AJ…

 

Nesse último final de semana teve mais um curso aqui no QG Akkari Team, mais de 30 pessoas em busca de conhecimento e sedentas por novas estratégias e de como pensar o jogo lucrativamente.

A cada break, ocorre uma interação bacana, onde não só recebemos um feedback de tudo que está acontecendo como sabemos mais sobre cada pessoa que passa por aqui, como conheceram o jogo, com o que trabalham, onde jogam… etc… nessas conversas também vem a discussão de algumas mãos e a maioria delas começa assim:

“-Eu tinha AJ o cara pagou e bateu o flop…”

Antes do cara terminar de falar o que era o flop a gente já fala um “para tudo, vamos começar de novo”… é claro que o que bateu no flop é importante, mas antes de chegarmos nessa parte de textura do board, há informações tão importantes ou até mais importantes.

Essas informações muitas vezes são tão complexas que as discutimos tanto que passamos horas antes de chegar na fase do “eu tinha AJ”. São muitos os pontos que passamos, mais alguns deles são:

– Stack: Em número de big blind sempre! 300k fichas, 1milhão ou 20k fichas não dizem nada…. mas quando você começa a frase com “O stack efetivo era de 20bb’s” tudo muda… o stack efetivo nos da o norte do que podemos ou não fazer, a nossa caixa de ferramentas.

-Posição: Subir 17 big blinds do botão é muito diferente do que subir 40bbs do UTG. As posições falam por si, conforme as pessoas desistem, e chega até as posições finais em fold, a chance dela estar aplicando um “steal” ou em bom claro português um “roubo de blinds” é bem maior. Em outras palavras, nos blinds você já está no jogo de forma obrigatória, já está no jogo, nas demais posições pode escolher com que cartas jogar, ou seja o seu range!

– Dinâmica : Um torneio de Poker não é uma mão singular, mas um monte delas, a forma como você joga uma mão agora normalmente depende de como jogou outras contra o adversário, quando isso envolve todos os jogadores da mesa, falamos na dinâmica da mesa, quando envolve alguns jogadores falamos no famoso “level”. Essa percepção do andamento da mesa junto com as demais informações dita o nosso ritmo. Em uma mesa que esta com uma dinâmica passiva, se encontrarmos resistência, vamos ligar o sinal de alerta. Em uma mesa onde a agressividade predomina, provavelmente vamos atolar mais mãos uma vez que os ranges são bem mais amplos e logo a fold equity maior.

 

Claro que se veio AJ ou 84 é importante, mas como você vai jogar e se vai jogar cada uma dessas mãos depende de muitos outros fatores. Comece pensando nesses três que eu citei, logo logo verá que existe uma infinidade de variáveis que torna cada vez menos o Poker um jogo de cartas e sim de tendências, pessoas, dinâmica e ranges!

 

Abraços,

Ban